terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Vou ficar vigiando minha casa no Natal', diz vítima da chuva no ES

Residência do casal está alagada, em Santa Teresa (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)Com a casa completamente inundada, o casal Letícia Possatti e Jhony Cley confessou que o Natal perdeu a importância dos anos anteriores. Nesta terça-feira, 24 de dezembro, a sede do município de Santa Teresa, onde eles vivem, foi invadida pela água do Rio Timbuí, o que obrigou várias pessoas a deixarem suas casas. "Vou ficar vigiando minha casa no Natal", disse a funcionária pública.A ceia de Letícia e do marido vai acontecer na casa de vizinhos. Mas, o clima é de tensão. Eles disseram que vão voltar para casa e esperar a água baixar. "Não temos mais clima de Natal. Nem vamos dormir", contou a vítima da chuva.
Por consequência das chuvas, 50 pessoas estão desabrigadas e 200 desalojadas na cidade, segundo a Defesa Civil Estadual. O município é um dos 45 que teve situação de emergência decretada pelo governo federal. No início da noite, equipes da Defesa Civil conseguiram acessar a cidade e o nível do rio começou a baixar, mas muitas residências continuavam alagadas. O município ficou sem energia elétrica, sinal de celular e telefone fixo durante o dia.
Residência do casal está alagada, em Santa Teresa (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)
O casal contou que morava em apartamento, mas, há apenas 20 dias, resolveram se mudar para a casa. "O que podemos fazer é nos apegar a Deus, pensar que, hoje, têm pessoas que estão em situação pior que a nossa. A gente preza pela vida, o resto das coisas a gente reconstrói. Buscamos força de onde não tem. O sentimento que temos hoje é ainda o de ajudar o próximo, que pode estar passando por momentos mais delicados", lamentou Letícia Possatti.O marido Jhony disse que nunca pensou que passaria por essa situação. "Quando conseguimos a casinha, acontece isso. Não dá nem para acreditar, é desanimador, mas não podemos perder a força de lutar e conseguir tudo de novo. Infelizmente hoje não conseguimos pensar em Natal, mas tudo vai passar", declarou.

Próximo à residência do casal, a água que transbordou do rio cobriu boa parte da Rua Jerônimo Vervloet, uma das principais da cidade, e toda a Travessa Padre Marcelino, além de outras vias. Uma forte enxurrada com correnteza se formou e os militares precisaram resgatar as pessoas com auxílio de cordas e também nas próprias costas.
O Centro de Santa Teresa, no Espírito Santo, foi tomado pela água (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)A Travessa Padre Marcelino, no Centro de Santa Teresa, foi tomada pela água (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)
Transporte
Um ônibus intermunicipal saiu de Vitória no início desta manhã, com destino a rodoviária de Santa Teresa, mas não conseguiu passar da rua alagada. O motorista precisou retornar para a área ainda seca. A maioria dos passageiros viajava para o município e para outros da região para passarem o Natal com a família. "Estava indo passar o Natal com a minha avó, no distrito de Vargem Alegre, mas o ônibus não conseguiu passar. Na verdade, quando chegamos a Santa Teresa, dava para passar, mas um lojista alertou o motorista e a água só foi subindo. Então ficamos presos", contou a estudante Thais Araújo.
Militares da Aeronáutica ajudaram no resgate de moradores (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Militares da Aeronáutica ajudaram no resgate de
moradores (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)
A família da professora Marisa Vieira precisou ser retirada do apartamento que mora, na Rua Jerônimo Vervolet. Os três filhos dela, pequenos, foram carregados pelos militares da Aeronáutica. Ela contou que não tem família da cidade e que ia esperar nas imediações até que a água abaixasse. "No meu apartamento a água não chegou, mas preferiram tirar a gente por precaução, pois poderia ter deslizamento de terra. Vou aguardar até poder voltar para casa", disse.
Na entrada de Santa Teresa, onde a água ainda não havia chegado até o início da tarde, moradores também já temiam as consequências da chuva, principalmente por causa do perigo de queda de barreiras. A funcionária de um restaurante no local, Cléia Busato, contou que desligou toda a energia de casa e do estabelecimento assim que percebeu que a queda de um barranco poderia atingir a fiação.
"Estamos só vigiando para ver o que acontece, mas se as árvores caírem na fiação, a estrada fica bloqueada e aí sim o município vai ficar completamente isolado. Nosso Natal acabou, vamos ficar em casa quietos, só orando e vigiando", disse.

De acordo com a Defesa Civil Estadual, os acessos aos municípios vizinhos estão precários, principalmente até Santa Leopoldina, onde apenas é possível chegar de avião ou com veículos especiais do Exército. Na estrada há áreas alagadas e também queda de barreiras.
Terra cedeu na entrada de Santa Teresa (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)Terra cedeu na entrada de Santa Teresa (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário