EBENET

EBENET
A sua melhor conexão

MP MOTO PEÇAS

MP MOTO PEÇAS

Dr.Batista

Dr.Batista

SALÃO 5 ESTRELAS

SALÃO 5 ESTRELAS

ÓPTICA LUZ

ÓPTICA LUZ
a luz dos seus olhos

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Dunga faz mistério na escalação da seleção

Dunga faz mistério na  escalação da seleçãoDepois de entregar os 11 que inciariam a partida contra a Costa Rica, Dunga mostrou um pouco menos de tranquilidade na véspera da partida contra os Estados Unidos, marcada para hoje (8), às 21h40 (de Brasília), em Foxborough, cidade que fica a 45 quilômetros de Boston.
Em entrevista coletiva de ontem (7), o comandante afirmou que ainda não decidiu a equipe e que tudo dependerá de dois fatores: cansaço e objetivo do jogo.
Dunga mostrou claro incômodo com a falta de tempo e tranquilidade que tem para montar uma equipe. Segundo ele, todo o trabalho é avaliado apenas em cima de resultados.
“A primeira observação nossa vai ser depois do treinamento, de conversar com os jogadores para ver o desgaste de cada um. A segunda observação que teremos de fazer com a comissão é para jogar um time que vai para ganhar ou para treinar, para experimentar novos jogadores. E aí vamos ver o que os envolvidos com a seleção estão pensando. A seleção tem de ganhar. Falam em observar, ganhar, mas somando tudo isso vai pontuar só em cima do resultado. É isso que vamos decidir”, declarou o comandante.
Dunga mostrou que, se dependesse apenas dele, escalaria um time com bastante troca, para poder testar atletas que ainda não tiveram chance com ele.
O capitão do tetra, no entanto, repete a todo momento que sabe que a pressão no país é apenas por uma vitória.
“A minha ideia é fixa naquela de que temos de observar alguns jogadores que ainda não tiveram oportunidade, mas ainda temos de levar o que nos é cobrado a todo momento”, ponderou. “Precisamos experimentar. Tem uns que estão há muito tempo com a gente e não jogaram. Temos de relevar bem e pensar nisso”.
O técnico da seleção ainda ressaltou que vê certa perseguição ao seu estilo de trabalho e que gostaria de ter mais liberdade para formar uma nova equipe após o 7 a 1.
“Eu só tenho uma chance. Pode até ser culpa minha, do jeito que eu trabalho ou de jogo, mas as pessoas têm pé atrás comigo. Só querem ver ganhar. Não tem outra fórmula. Cada jogo é uma oportunidade única. Eu queria que todos que estivessem envolvidos no futebol pudessem entender que quando a gente está formando uma equipe que a gente precisa deixar o resultado de lado em alguns momentos e observar mais o trabalho do que o resultado. Em algum momento, isso atrapalha o jogador da seleção. Se a gente tivesse mais calma, alguns jogadores ficariam melhor”, finalizou.


Diário do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário