EBENET

EBENET
A sua melhor conexão

MP MOTO PEÇAS

MP MOTO PEÇAS

Dr.Batista

Dr.Batista

SALÃO 5 ESTRELAS

SALÃO 5 ESTRELAS

ÓPTICA LUZ

ÓPTICA LUZ
a luz dos seus olhos

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Prefeitura de Araripina, diz que o servidor envolvido no escândalo na Rússia enfrenta processo administrativo por não exercer sua função de engenheiro civil

Após as repercussões em todo o mundo pelo lamentável episodio envolvendo quatro brasileiros, que assediaram sexualmente com palavras de baixo calão uma mulher russa durante a Copa do Mundo, a Prefeitura de Araripina emitiu uma nota para explicar sobre o engenheiro civil concursado que está envolvido nesse caso. Veja a nota: NOTA DA
PREFEITURA DE ARARIPINA …
NOTA DA PREFEITURA DE ARARIPINATendo em vista o noticiário em torno do lamentável caso de misoginia que envolve quatro brasileiros na Rússia, sendo um deles de nome Luciano Gil Mendes Coelho, a Prefeitura de Araripina informa que o servidor, aprovado em concurso público no ano de 2010, atualmente responde a Inquérito Administrativo pelo motivo de não comparecimento para exercer as funções de engenheiro civil como servidor público efetivo lotado na Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura. O inquérito está em fase final de conclusão e pede a exoneração do servidor dos quadros do funcionalismo público municipal.A prefeitura também informa que o servidor Luciano Gil Mendes Coelho, no ano de 2015 – durante a gestão do ex-prefeito Alexandre Arraes (PSB) [2012-2016] – esteve envolvido em investigações da Polícia Federal na operação denominada ‘Paradise’ que apurou o desvio de recursos públicos em obras de escolas nucleadas e quadras poliesportivas oriundas do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação – FNDE, do Ministério da Educação.Em maio de 2015, a Polícia Federal e a Controladoria Geral da União (CGU) deflagraram a Operação Paradise que apontou o desvio de recursos através de fraudes em sistemas do FNDE. O servidor Luciano Gil Mendes Coelho e outros servidores comissionados do ex-prefeito Alexandre Arraes à época foram conduzidos até a Superintendência da Polícia Federal no município de Salgueiro/PE para depoimento. As investigações foram concluídas e o inquérito encontra-se parado há quatro anos no Ministério Público Federal (MPF) na Procuradoria da República em Salgueiro. Por fim, a Prefeitura de Araripina repudia o ato cometido pelo servidor e externa sua indignação com este fato lamentável de misoginia e machismo.Secretaria Municipal de Comunicação Social.20/06/2018

Araripina em Foco/Damião Sousa/Foto: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário